5 PASSOS PARA FAZER ESCOLHAS SÁBIAS

Fazer boas escolhas nunca é fácil, seja qual for o estágio da vida em que estamos. Se estamos buscando o primeiro passo na carreira ou já estamos estabelecidos em um emprego e agora contemplando uma subida completamente diferente, pode ser difícil saber o caminho certo a seguir. Mas existem medidas que podemos tomar se quisermos fazer boas escolhas. Eu chamo essas etapas de cinco C’s na tomada de decisões.

O primeiro passo é CONSIDERAR. Devemos parar, pausar e pesar as opções, certificando-nos de que entendemos os fatos e os riscos. Tire um tempo para buscar conhecimento e evite entrar de cabeça tomando decisões precipitadas. Como cristãos, nosso tempo de consideração também significa gastar tempo em oração, pedindo sabedoria e discernindo o coração de Deus.

O segundo passo é CONSULTAR. Um dos aspectos mais importantes da tomada de decisão sábia é reconhecer o valor de um bom conselho. A Bíblia nos exorta a encontrar sabedoria através de muitos conselheiros: “Por falta de orientação, uma nação cai, mas a vitória é conquistada por muitos conselheiros” (Pv. 11:14, NVI). Isso não significa que seguiremos os conselhos de qualquer homem ou mulher nas ruas, mas que procuraremos pessoas sábias cujos conselhos respeitamos, por mais difícil que seja ouvi-los.

Em I Reis 12, lemos a história do rei Roboão, a quem o povo de Israel pediu que diminuísse o fardo do trabalho obrigatório. Quando o rei foi aos anciãos – considerados sábios -, eles o aconselharam a atender ao pedido do povo, dizendo-lhe que um rei que serve ao seu povo receberá um serviço fiel em troca. Mas Roboão não gostou do conselho dos anciãos, então ele procurou seus amigos. Disseram-lhe para aumentar a carga sobre o povo e governar como um tirano severo. Preferindo esse conselho, o rei aumentou a carga dos israelitas, que o mataram na rebelião que se seguiu. A lição? Ao procurar um conselho, tente ter certeza de que é um conselho sábio.

A CLARIFICAÇÃO (ou esclarecimento) é o terceiro passo no processo de escolha. Às vezes, é fácil pensar que uma sensação de chamado de Deus nos absolve do uso de nossas faculdades críticas. Depois de termos considerado e consultado, devemos passar um tempo testando nossas ideias e depois refletindo sobre o que foi revelado. Às vezes, todas as evidências apontam em uma direção, mesmo quando algo no nosso interior nos puxa para outra. Eu gosto de fazer listas de prós e contras nesse estágio, e o processo de fazer essas listas frequentemente revela que o que eu sinto do profundo do meu coração está certo.

(Durante esse processo de clarificação, é vital permanecermos abertos para ouvir do Senhor ao pedir que Deus fale em nossas vidas.  “Faze-me conhecer os teus caminhos, Senhor; ensina-me as tuas veredas” [Sl. 25: 4] é um versículo ideal a ser considerado quando estiver na fase de esclarecimento da tomada de decisão.)

Qualquer que seja a escolha que fizermos, o quarto passo é a CORAGEM. O desconhecido é muitas vezes assustador, e esse passo inicial pode ser o mais assustador de todos. Mas devemos respirar fundo antes do mergulho, seguros de que estamos fazendo o que cremos ser o certo. A Bíblia diz que, se formos corajosos em seguir os caminhos de Deus, Ele permanece conosco.

O passo final pode ser o mais difícil de todos. Seja qual for o caminho que tenhamos escolhido, devemos aprender a nos CONTENTAR. Paulo disse em sua carta aos filipenses que havia aprendido a se contentar, independentemente das circunstâncias (Fp. 4:11). É fácil, depois de tomar uma decisão fazer a pergunta “E se?”, especialmente quando as circunstâncias ficam, inevitavelmente, complicadas. Mas, nesse momento, prender-se ao arrependimento é desperdiçar energia. Nunca sabemos quais oportunidades interessantes podem estar nos esperando ao virarmos a esquina.

“Focus On The Family Ministry”. Tradução: Celso Tavares. 2020.

KEN COSTA
KEN COSTA

Igreja Holy Trinity Brompton de Londres